StarCraft II Writing Contest Winners

A nova criatura - Dherik Barison

Roberto era um típico Soldado terrano. Na situação de ex-condenado em seu planeta natal, participou do programa de reabilitação e recrutamento oferecido pela Supremacia. Era uma ótima alternativa para ex-criminosos como ele escaparem de sentenças de morte ou de apodrecerem em uma prisão, tornando-se combatentes à serviço dos interesses terranos. De certa forma, era uma outra forma de condenação, pois as chances de sobreviver por alguns anos em um esquadrão não eram lá muito animadoras. Os terranos civis evitavam participar do programa de recrutamento, pois tinham outras opções. Mas no final das contas, condenados e civis saiam ganhando com este sistema.

Atualmente, Roberto participava do esquadrão terrano de reconhecimento, que investigava o planeta Molarium. O esquadrão estava no planeta já fazia algumas semanas, e o objetivo era identificar potenciais ameaças para uma ocupação terrana. Molarium era um planeta atraente aos interesses terranos, pois apresentava diversas semelhanças com o planeta natal de todos os humanos, a Terra: oxigênio suficiente, gravidade similar, temperaturas amenas e água. O planeta não era rico em recursos naturais, mas tinha condições ideais de sobrevivência. Só o fato dos seres humanos não precisarem de nenhum tipo de roupa especial para andarem sobre o planeta já valia qualquer esforço.

Porém, na sua condição de Soldado, Roberto sempre precisava usar sua roupa especial: uma resistente armadura. Ela não só o protegia mas também compensava de forma autônoma boa parte do esforço necessário para se mover. Não era o traje mais confortável que já vestiu, mas era a responsável por aumentar a eficiência de qualquer Soldado em uma batalha. Era a sua segunda pele.Roberto já havia estado em diversas batalhas. Se orgulhava do número de mortes que faziam parte da sua própria história. Já havia enfrentado todo o tipo de criatura que havia estudado no período de recrutamento, um privilégio para poucos fuzileiros. Embora não tivesse ainda subido de patente, era muito respeitado pelos seus superiores. Todos acreditavam que logo ganharia uma patente compatível com suas qualidades.

Tudo corria muito bem naquelas semanas. Realizar o reconhecimento de um planeta poderia ser o céu ou o inferno. Nestas missões não havia muito conhecimento sobre o terreno e das potenciais ameaças, até porque o objetivo era adquirir este conhecimento. Entre os Soldados, usavam o termo "isca" para nomear aqueles que participavam destes esquadrões de reconhecimento, pois basicamente a ideia era esta: esperar que algo “indesejável” apareça, para saber com o que precisarão se preocupar.

E então, em uma manhã tardia, enquanto a aparelhagem do Quartel local equipava-lhe com sua armadura, todo o inferno desceu sobre sua cabeça. Ele jamais soube o que exatamente havia acontecido, pois despertou completamente soterrado pelos escombros do Quartel, agradecendo à sorte pela armadura tê-lo protegido antes de desmaiar. No entanto, não foi capaz de segurar o baque que sofreu ao se deparar com o que sobrou do posto avançado: um amontoado de restos de construções e corpos.

Porém, algo rapidamente o chamou a atenção naquele cenário. Alguns corpos estavam completamente corroídos. Theodore, um antigo amigo que fizera ainda no recrutamento, jazia a poucos metros do Quartel; os restos de sua armadura derretidos, suas entranhas dissolvidas em marcas escuras sobre o solo, uma vala estranha corroída no que outrora havia sido grama. O esgar final de Theodore estava congelado em sua face, uma expressão de horror tamanha que Roberto não conseguia lembrar-se de ter visto algo semelhante em todos os seus anos de fuzileiro. Roberto estremeceu. Aquilo só poderia ser obra de um zerg.

Agora se encontrava perdido no meio da floresta. Ofegava confuso. Foi enviado para sondar as condições de sobrevivência no planeta, mas sua mente percorria enlouquecida todo o acervo de criaturas zerg que havia enfrentado em sua vida. Pensava constantemente nos Furtivos, os únicos zerg capazes de criar valas como aquelas, mas eles não deixavam vestígios de corrosão como os que Roberto havia visto. Se estivesse em plenas capacidades mentais, Roberto teria se lembrado que os buracos que os Furtivos deixavam tinham um formato fundamentalmente diferente, eram abertos do interior da terra para fora quando decidiam se locomover e não corroídos para dentro.

De fato, Roberto sequer notou o Cruzador terrano sobrevoando sua posição, a fuga que tanto desejava. Tampouco notou que não estava mais sozinho. Estava abalado demais para perceber qualquer coisa ao seu redor. Sequer sentiu o impacto do Raio Gráviton disparado contra ele por um pequeno grupo de protoss escondidos atrás das árvores ao seu redor, imobilizando-o de joelhos. Um Vigia do protoss já acompanhava Roberto a algumas horas, facilitando a aproximação do grupo.

Liderados por um Templário das Trevas, os Fanáticus se aproximaram confiantes de Roberto. O Cruzador já estava longe no horizonte, indo na direção do que restou do posto avançado. O símbolo dos Toredas, uma das várias tribos nobres dos protoss, balançava do manto do Templário das Trevas próximo ao capacete da armadura de Roberto, quando ela se abriu lentamente, dando pequenos trancos.
— Me soltem! Iremos todos morrer! - disse Roberto, tremendo e desnorteado.
— Acalme-se – respondeu o Templário, como se olhasse diretamente para o interior da mente de Roberto – Há algo que você precisa nos contar, humano.

---

Três dias depois, Roberto envergonhava-se em admitir, mas sentia-se em paz. Despido de sua armadura de combate, encarcerado no acampamento dos Toredas, bem cuidado e bem alimentado, Roberto via em sua prisão uma forma de libertação de todos os terrores de sua vida militar. Estava derrotado, mas vivo. A benevolência de seus captores tornava essa derrota doce e tragável. Ao menos até quando aquilo pudesse durar.

Ainda assim, não estava livre de preocupações. Não havia sido torturado, mas foi interrogado. Os protoss estavam apenas esperando ele voltar as suas faculdades mentais para lhe fazer as perguntas.

O que realmente o intrigava era justamente a brevidade do interrogatório. Apenas uma pergunta lhe foi dirigida, diretamente pelo Templário das Trevas:
— Quantos?
— Muitos - ele respondera sem saber precisar - Dezenas, provavelmente.

O Templário virou-se e saiu da sala. Ele percebeu imediatamente que o que quer que fossem aquelas novas criaturas, o protoss sabia muito mais a respeito do que ele. Não se espantava deles já estarem tentando identificar a tal criatura enquanto os terranos estavam ainda sendo mortos por ela.

Mais tarde havia compreendido a reação do Templário à sua pergunta. A nova criatura era verdadeiramente terrível. Os protoss ainda não tinham ideia de quantos existiriam no planeta ou mesmo de quão rapidamente eles poderiam ser produzidos pelos zergs. Sua resposta provavelmente respondeu a essas questões. As implicações lhe pareceram óbvias: já deveria existir uma horda preocupante e sua produção provavelmente deveria ser mais rápida do que gostariam.

Agora, Roberto examinava atentamente os arredores através da única janela em seus aposentos. A arquitetura protoss sempre lhe fascinou. Muitas lembravam pirâmides, que eram construções de antigos povos do planeta Terra conhecidos como egípcios. Haviam também os massivos pilões flutuantes, gerando energia de forma quase mística para sua limitada compreensão. Todas as construções e unidades eram dotadas de um escudo protetor, que se regeneravam automaticamente. Sua própria cela não havia grades, apenas um campo de força, muito similar ao escudo deles. Podia notar também na sua cela inúmeras runas espalhadas pelas paredes, como se fossem uma oração pelas almas dos prisioneiros.

De certa forma, o próprio ambiente contribuía para a paz que sentia. Os protoss eram um misto curioso de tecnocracia e religião e aquela combinação, que parecia impossível para a maioria dos terranos, estava espalhada por todo aquele lugar.

O conhecimento sempre trabalhou contra a fé humana. Quanto mais os humanos pensavam conhecer sobre o universo, menos espaço havia para divindades e crendices. Os terranos pareciam ser o ápice dessa filosofia, não havia qualquer deus ou religião entre os seus. Só havia um lugar onde um terrano como Roberto se permitia acreditar, as trincheiras de batalha. E ele estivera lá vezes o suficiente para saber que invejava seus captores.

---

Um barulho ensurdecedor, mas familiar, tomava o ambiente todo. Roberto olha pela janela de sua prisão e vê um Cruzador de Batalhas terrano aterrissando no meio do acampamento dos Toredas. Logo, Roberto percebeu que a ameaça da nova criatura Zerg estava incomodando mais do que imaginava. Eram raras as ocasiões onde ocorriam tréguas ou alianças entre protoss e terranos, mas sempre que elas ocorriam o motivo era extremamente importante.

Do Cruzador, desceram o Governador regional da Supremacia, Francisco Silva Beltrão, acompanhado de vários Fantasmas, unidades especiais terrestres especializadas em se camuflar e exterminar. Roberto nunca tinha visto o Governador pessoalmente, mas o que mais lhe impressionou foi quem desceu em seguida: o lendário Jim Raynor.

Roberto estranhava a presença de Jim Raynor junto a uma liderança terrana. Jim havia tantas vezes sido traído por facções terranas que havia se tornado um renegado. Muitos de sua própria raça queriam sua cabeça. Pouco se sabia do seu paradeiro nos últimos anos. Roberto queria saber o que havia acontecido com Jim Raynor para apoiar um líder terrano. Na primeira oportunidade, procuraria saber o que havia acontecido.

Não era preciso explicar o que estava acontecendo naquele momento. O Governador veio para fazer a parte política da conversa com a tribo dos Toredas, representando a voz e interesse dos terranos em procurar a criatura que havia exterminado o esquadrão terrano. Os Fantasmas como proteção do governador, naturalmente. E Jim Raynor para tratar de questões de batalha. Roberto mal acreditava no privilégio de estar vivenciando aquele acontecimento.

Foi possível ver Nasgal, o líder guerreiro dos Toredas, indo de encontro ao governador. Ali conversaram por alguns minutos. Após isto, dirigiram-se a Nexus, e a partir de então Roberto não conseguiu mais vê-los. Porém, logo foi chamado. O campo de força foi desativado e o dirigiram ao que acreditava ser uma espécie de sala de reuniões dos protoss.
Na sala, como esperado, estavam o governador, Jim Raynor e Nasgal.
— Então é este o sobrevivente? - disse o governador
— Sim. O encontramos no meio da floresta, a cerca de 15 KM do acampamento de vocês. - disse Toredas
— Como tem passado cara? - pergunta Raynor.- Me parece ótimo para quem quase morreu a poucos dias atrás...
— Não posso negar que fui bem tratado aqui. - responde Roberto
— Conte-nos o que lembra. - diz, inquieto, o Governador.
Após Roberto contar todo o ocorrido, Nasgal, mostrando descontentamento, diz:
— Não disse que era isto que havia acontecido?!
— Não nos leve à mal Nasgal, mas queríamos ouvir das palavras de um terrano todo o ocorrido. - diz Jim Raynor, tentando tirar o peso das palavras de Nasgal
— Quanto tempo temos, Nasgal? - interrompe o Governador
— Iniciaremos a investida em algumas horas. Não podemos esperar mais que isto.
— Suas tropas já estão prontas? - pergunta Jim Raynor
— Estão esperando por vocês. Ele também vai? - Nasgal aponta para Roberto.
— Naturalmente. - afirma Jim Raynor
O plano não era mais esperar. Era agir.

Vindo do norte, um Vigia informou que havia detectado uma colônia zerg perto das Montanhas Celestes. O Vigia não pode se aproximar mais devido as defesas anti-aéreas que haviam na região, impossibilitando a obtenção de mais informação. Não sabiam se a tal criatura encontrava-se lá ou em alguma outra colônia ainda não identificada, mas precisavam iniciar uma investida que fosse atrás da criatura.

A única forma de aproximação viável era por terra. Embora tivessem que lidar com a misteriosa criatura deste modo, não havia outra opção, pois esperar um reforço aéreo naquela delicada situação poderia ser a diferença entre viver e morrer. A qualquer momento poderia surgir um ataque zerg tal qual aquele que devastou o esquadrão terrano.

Liderados por Jim Raynor e Nasgal, as tropas dirigiram-se ao norte. Não haveria nenhum reforço terrano além de Raynor, Roberto e alguns Fantasmas, pois o esquadrão mais próximo, com o mínimo potencial de combate, estava muito distante, então poderiam contar apenas com as unidades protoss na batalha.

Porém, o Governador tinha reservado a eles um grande trunfo para ser usado em batalha: um míssil nuclear. O míssil viria de uma ocupação terrana no planeta Solares, suficientemente próximo para que pudesse ser ativado e lançado. Como os Fantasmas ali presentes eram capazes de acionarem este míssil, tinham tudo preparado para que pudesse ser usado, caso fosse necessário.

Já a caminho da colônia, Roberto vê a oportunidade ideal de descobrir quais eram os interesses de Jim ao se aliar a uma facção terrana.
— Jim, conheço um pouco de sua história e...
— Fico agradecido. - interrompe Jim.
— Quero dizer, já escutei várias história suas. E confesso que me estranha um pouco ver você aliado a um líder terrano de tão grande influência como o Governador.
— Aonde quer chegar soldado? - diz Jim, desconfiado
— Dizem que você não confiava mais em qualquer liderança terrana. Por que mudou de ideia agora? - questiona Roberto
— Eu não mudei de ideia. O Governador me prometeu muitas coisas em troca de ajudá-lo.
— Não teme algum tipo de traição?
— Várias das promessas ele já cumpriu. Mas minha garantia foi a aliança com a tribo de Toredas. Lutando ao lado dos protoss, sei que não haverá violação de confiança, uma vez que o Governador não tem controle algum sobre eles .
— Mas após a missão, não voltará com o Governador e ficará a mercê da Supremacia?
— É claro. Mas irei sumir novamente, assim que cumprir meu objetivo – diz Raynor, com um discreto sorriso.

Roberto queria saber quais promessas eram aquelas mas tinha certeza que, se perguntasse, Jim Raynor mentiria ou simplesmente não iria dizer. Não iria compartilhar informações tão particulares como estas para um Soldado que mal conhecia. Contudo, sentia-se orgulhoso pela confiança depositada nele por Jim, ao dizer que iria escapar aos olhos da Supremacia assim que possível.

---

Ao avistarem a colônia, perceberam o inferno que estaria por vir. Haviam dezenas e mais dezenas de Hydraliscas, Zergnídeos e Baratas. Mas nada da obscura criatura, ainda. No entanto, Roberto faz questão de reforçar:
— Ninguém havia percebido a aproximação das criaturas. Precisamos ter muito cuidado em cada passo.
O plano era simples e, assustadoramente, racional. A possibilidade de serem dizimados era considerada. Inicialmente os poderosos Imortais tomariam a frente e destruiriam as defesas anti-aéreas concentradas na periferia da colônia. Assim, os Vigias poderiam chegar o mais perto possível do centro da colônia, coletando todas informações possíveis. Como haveriam várias Hidraliscas no caminho dispostas a derrubar os Vigias, um grupo de Fanáticus e Tormentos iriam acompanhá-los. Roberto e Jim ficariam mais atrás, sob a cobertura dos Imortais, acompanhando de longe o progresso da infiltração. Agindo deste modo, poderiam obter o máximo de informações, mesmo que a batalha não pudesse ser vencida e a fuga não fosse possível.

E assim deu-se o início da investida aliada. Os Imortais começaram a destruir as defesas anti-aéreas o mais rápido possível, antes que o reforço terrestre zerg chegasse. Os Fanáticus e Tormentos ajudavam os Imortais para que o processo fosse agilizado.

Antes que conseguissem eliminar as primeiras defesas, apareceram não um, mas dois Mammuthus. Uma colônia protegida por Mammuthus era sinal de que algo importante havia ali. Para a sorte deles, tinham o auxílio dos Fantasmas que, como excelentes atiradores de elite que são, derrubaram os monstros com tiros certeiros na cabeça, muito antes que pudessem fazer qualquer coisa. Se os Fantasmas não estivessem ali, isto seria uma tarefa para os Imortais, e como consequência perderiam um tempo que já não tinham.

Finalmente as defesas anti-aéreas foram destruídas. Os Vigias, Fanáticus e Tormentos começavam a penetração na base zerg enquanto Jim, Roberto e os outros ficavam mais atrás sob a cobertura dos Imortais. Não demorou muito para que os primeiros Zergnídeos fossem enviados até onde Jim e Roberto estavam.

Os Tormentos abusavam de seu teleporte para confundir os zergs enquanto os Fanáticus usavam sua aproximação rápida e força bruta para combatê-los. Os Fanáticus a todo momento se organizavam de forma a ficarem a frente dos Tormentos, protegendo-os do combate direto, mas não evitavam que vários delesfossem mortos, encurralados pelos ágeis Zergnídeos. Eles estavam progredindo lento demais, a batalha estava muito equilibrada. Os Vigias tentavam identificar até onde conseguiam.

Porém, em dado momento a situação começava a parecer estar sob controle. Os Imortais já não estavam tendo tanto trabalho ao lidar com as forças zerg enviadas, e os Tormentos e Fanáticus abriam passagem por terra sem mais grandes problemas, possibilitando aos Vigias reconhecer todo o local.
Mas, tão rápido quanto pudessem perceber, os Imortais foram caindo, um a um.
— Pelos céus! O que é isto??
Era a criatura, que mais tarde ficou conhecida como Tatu-bomba.

Em uma explosão suicida a cerca de meio metro, eles eliminavam o oponente em meio a um mar de ácido. Simplesmente surgiram do chão, aos pés dos Imortais que pouco puderam fazer. Roberto logo lembrou daquele barulho que os Tatus-bomba emitiam ao se suicidarem. Tinha ouvido aquele barulho algumas vezes antes de desmaiar em meio a batalha que seu esquadrão enfrentou e foi aniquilado.

Os poucos Fanáticus que ali estavam foram instantaneamente mortos. Um combate corpo-a-corpo com aquela criatura era fora de questão. Na verdade, era o que ela mais desejava.

Os Tormentos, que faziam a cobertura dos Vigias, foram imediatamente chamados por Nasgal para voltar e ajudar. Jim e Roberto esvaziavam suas armas sem pausa, mas os Tatus-bomba vinham por todos os lados e se aproximavam cada vez mais. A todo momento a imagem de Theodore morto vinha à cabeça de Roberto. Ele não queria morrer daquela maneira.

Jim Raynor estava acostumado com este tipo de situação delicada, encurralado e ameaçado. Mas Roberto, por mais batalhas que tivesse enfrentado, não estava preparado para aquela situação.

Vendo o desespero nos rostos não só dos terranos, mas também de seus irmãos protoss, Nasgal toma a frente do grupo. — Deem-me cobertura! - ele grita

Mesmo sem entender de início a estratégia, Jim Raynor obedece. Além de Tatus-bomba, haviam também muitos zergnídeos no ataque. O plano de Nasgal era atrair ambos até ele, tirando a atenção dos zergs sobre o grupo, esperando a cobertura dos Tormentos e Fantasmas, que teriam uma melhor visão para matar os Tatus-bomba que vinham de encontro a ele, enquanto Nasgal matava os Zergnídeos.

Nasgal era conhecido pela bravura, uma característica nobre que vêm no berço da maioria dos guerreiros protoss. Jim Raynor não sentia qualquer espanto por ele estar se sujeitando a tamanho risco em prol do grupo. O que ele sentia era orgulho de combater ao lado de seres com tamanha determinação e coragem.

Porém, o que era esperado aconteceu. Nasgal decidiu o momento da sua própria morte ao tomar aquela decisão. Em meio a vários Zergnídeos, ele sucumbe. Seu sacrifício havia salvo aqueles que estavam ali. No entanto, não havia tempo para lamentar a morte de tão valente guerreiro, pois muitos zergs ainda apareciam, embora em número cada vez menor.

Quando puderam finalmente respirar e perceber o que havia acontecido ali, Roberto parecia estar em estado de choque. A adrenalina ainda corria por todo seu corpo. Os olhos arregalados ainda estavam atentos para qualquer movimentação inimiga. Mas mesmo Jim Raynor, com toda sua experiência, parecia desnorteado.

Foi quando o Governador entra em contato com Jim Raynor pelo comunicador:
— Como estão as coisas?
— Estão sob controle Governador. Identificamos a criatura e podemos levar um exemplar dela, inclusive.
— Que bicho é este, afinal?
— Melhor explicar pessoalmente, pois não se parece com nada que já tínhamos visto antes. Os protoss devem estar neste momento recebendo as informações colhidas pelo Vigia. Fale com eles.
— Certo. Aguardo sua chegada. Avise o Nasgal que quero falar com vocês dois assim que chegarem.
— Governador, infelizmente não será possível... Nasgal morreu em combate. - lamenta Jim Raynor
— Malditos insetos! Sabe o que fazer com eles ao final, não é?
— Afirmativo, Governador.
Após falar com o Governador, Jim Raynor vira-se para Roberto e não deixa de cumprimentá-lo, ao seu jeito:
— O que achou, cowboy? Lutou muito bem.
— Fico feliz só por ter sobrevivido.

---

Agora sabiam como a criatura atacava. Que ela se suicidava. Que ela também tinha a habilidade de se enterrar como outros vários zergs. Poderiam reconhecê-la.

Entretanto, precisavam ainda descobrir a origem da criatura. Como ela nasce? Qual tipo de construção zerg dava origem aquilo? O que as motivava ao suicídio? Entre outras questões. Mas agora tinham dados suficientes para descobrirem todas estas respostas e enfrentar o maldito verme.

— O que faremos agora? - pergunta um Fantasma a Jim Raynor
— Destrua tudo.
"Míssil nuclear detectado".